Falácias

Escrevi este pequeno resumo das principais falácias (erros de argumentação) para uma lista de que faço parte:

Falácias de presunção:

Acidente: é a declaração de uma regra geral, aplicada a algo que não se enquadra na regra.
Esta lista é composta por usuários de internet.
Ora, usuários de internet visitam páginas pornográficas.
Logo, esta lista é composta por pessoas que visitam páginas pornográficas.

Acidente converso: é o contrário: uma exceção é usada como regra.
Os usuários desta lista são católicos e têm acesso à Net.
Logo, quem é católico e têm acesso à Net está nesta lista.

Falsa causa: é quando a concorrência de duas coisas faz com que seja tirada a conclusão de que uma é a causa de outra.
Se uma ocorre em seguida à outra, chamamos de "post hoc, ergo propter hoc" (depois disso, logo por causa disso); se ao mesmo tempo, "cum hoc ergo propter hoc" (com isso, logo por causa disso).
Tiraram o altar-mór de minha paróquia logo depois do Concílio Vaticano II.
Logo, o Concílio Vaticano II é a causa de terem tirado o altar-mór de minha paróquia.

Petição de Princípio: é quando a conclusão de um argumento é uma das premissas que o suportam. Dificilmente isto vai estar explícito...
Não há nada na Bíblia que diga a Bíblia não é a única regra de fé e prática do cristão (implicitamente afirma-se que só a Bíblia é a regra etc., pois só nela se buscam "provas").
Logo, a Bíblia é a única regra de fé e prática do cristão.

Questão complexa: é a questão feita de modo a não deixar saída que não a aceitação de uma conclusão implícita.
"Os governos federal, estadual e municipal devem continuar usando grande parte do orçamento público para pagar a dívida interna dos especuladores?"(pergunta do plebiscito da CNBB)
Caso a resposta seja afirmativa, vc é a favor de gastar o orçamento com especuladores.
Caso seja negativa, vc é contra gastar o orçamento com especuladores.
Em todo caso, vc concorda que a pagar dívida é gastar com especuladores.

Falácias de Ambiguidade:

Equívoco: é o uso de uma palavra com vários sentidos para levar a uma conclusão errada.
Meu filho diz que o velocípede dele é legal (bom, agradável).
Ora, veículos legais (com a documentação em dia, piscas, faróis, etc.) podem circular na estrada.
Logo o velocípede do meu filho pode circular na estrada.

Anfibolia: é quando a construção gramatical de uma frase cria uma ambiguidade:
Mataram um rapaz que estava passeando com uma pedra na cabeça.
Logo, é perigoso passear com uma pedra na cabeça.

Ênfase: é uma ambiguidade produzida pela ênfase em um ponto errado da frase.
Hoje, Olavo de Carvalho escreveu um artigo só com palavras compridas
Logo, ele costuma escrever artigos só com palavras curtas.

Composição: é quando se infere que um grupo maior, ou um todo, tem um atributo de uma parte dele.
Todos os consertos que fiz em meu carro foram bem feitos.
Logo, os mecânicos de minha região são bons.
Note-se que há uma diferença crucial entre esta falácia e a do acidente converso: não se trata de tirar uma regra a partir de uma exceção, como naquela, mas de aplicar a um conjunto algo que só se sabe no particular.

Divisão: é inferir que cada membro de uma classe, ou parte de um todo, tem um atributo que é do todo.
A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil é esquerdista.
Ora, D. Pestana é um Bispo no Brasil.
Logo, D. Pestana é esquerdista
Note-se que há uma diferença crucial entre esta falácia e a do acidente: não se trata de aplicar uma regra geral a uma exceção, como naquela, mas de aplicar a um particular algo que se sabe do conjunto.

Falácias de relevância:

Apelo à força (argumentum ad baculum - literalmente, "argumento ao porrete"): é quando a pessoa concorda, ou... :)
Ou vocês concordam com as minhas opiniões, ou são expulsos da lista.
Ora, eu acho que cachorros da raça "poodle toy" são ridículos.
Logo, cachorros da raça "poodle toy" são ridículos.

Apelo à misericórdia (argumentum ad misericordiam): é o contrário; nesta falácia o importante é causar pena.
Eu tenho problemas cardíacos e não posso me estressar.
Se vcs ficarem discutindo na lista, eu fico estressado.
Logo, vcs não devem discutir.

Apelo à emoção (argumentum ad populum): é o famoso "jogar para a arquibancada", usando palavras fortes sem prova alguma.
Como qualquer pessoa que tenha o mínimo de conhecimento da Doutrina Católica pode facilmente perceber, a idéia absurda de que a Renovação Carismática possa ser considerada, ainda que em sonhos, algo compatível com a Tradição Revelada é ridícula.
Logo, a RCC é incompatível com a Tradição Revelada.

Apelo à autoridade (argumentum ad verecundiam): é quando se dá crédito a uma afirmação por ela ser a opinião de alguém respeitável.
O Pregador da Casa Papal, Raniero Cantalamessa, acredita que a RCC é supimpa.
Logo, a RCC é supimpa.

Argumento Ad Hominem: é quando se nega a veracidade de uma afirmação porque ela é defendida por alguém que não é lá essas coisas. É o oposto da vista acima
Padre Marcelo Rossi acredita que a RCC é supimpa.
Ora, Padre Marcelo Rossi é um produto da mídia neoliberal e amigo da Xuxa.
Logo, a RCC de sumpimpa não tem nada.

Apelo à ignorância (argumentum ad ignorantiam): é quando se propõe que algo deva ser aceito até prova em contrário.
Nunca vi um milagre, nem jamais qualquer pessoa que eu conheço viu um milagre.
Logo, milagres não existem.

Conclusão irrelevante (ignoratio elenchi): é quando as premissas levam a uma conclusão diversa da que se tenta estabelecer com elas.
Eu não tenho dinheiro para comprar um carro novo
Para ganhar dinheiro suficiente para comprar um carro novo é necessário trabalhar muito.
Logo, vcs devem trabalhar muito para me dar um carro novo.

©Prof. Carlos Ramalhete - livre cópia na íntegra com menção do autor

No comments:

Post a Comment

There was an error in this gadget