Assistir ou participar

Artigo sobre as sutis e não-tão-sutis diferenças entre "assistir" e "participar" da Missa

Chegou-me a seguinte mensagem:

Gostaria de ter um respaldo maior sobre a questão assistir a missa ou participar da missa. Vejo em muitas paroquianos dizendo que vai assitir.
Eu sei que a igreja nos convida a participar, até porque o ato de comungar é a a maior participação. Estou certo?

Ao que respondi:

Bom, o problema maior é na verdade uma confusão entre os vários significados das palavras. Assistir e participar podem querer dizer coisas diferentes; "assistir" pode ser "ajudar" (como um "assistente") e pode ser "ver passivamente", e "participar" pode ser compreendido como uma ação ativa ("participo de um time de futebol")  ou como receber uma perfeição (a cerveja gelada "participa" do gelo, sem ser gelo; a palavra "gelada" é aliás o particípio do verbo "gelar").

A Igreja nos chama à participação no sentido de receber uma perfeição, e é neste sentido que receber o Santíssimo Sacramento é a maior participação. Estamos assim participando de Cristo, ou seja, recebendo d'Ele uma perfeição. Esta participação pode (mas não precisa) ser expressa exteriormente (o primeiro sentido que dei desta palavra). Assim, por exemplo, não é necessário responder na Missa. É melhor participar silenciosamente que responder alto e não participar verdadeiramente, por exemplo. O sujeito que está cantando aos brados pode perfeitamente não estar participando, por não estar somando o seu sacrifício ao de Cristo na Cruz.

Já assistir como quem assiste passivamente a um jogo de futebol não é ao que a Igreja nos chama, mas assistir como "assistente",  ou seja, somando o nosso sacrifício ao de Cristo, que é oferecido pelo sacerdote, é o "assistir" que a Igreja nos pede e recomenda.

Assim, não se trata de uma escolha entre assistir passivamente e participar fisicamente. É na verdade - como aliás em quase tudo - uma escolha muito mais sutil, em que o caminho certo é o do meio.

Em uma extremidade temos a "participação" meramente física, meramente ativa ou emocional; nele não há assistência, não há participação verdadeira. Só atos contam (levantar, sentar, ajoelhar, cantar, chorar, comungar). Não é isso que a Igreja nos pede e recomenda.

Na outra extremidade, oposta àquela, temos a "assistência", igualmente falsa, que é meramente passiva. É ir para a Missa e responder ou não, cantar ou não, comungar ou não, mas ficar pensando em outra coisa ou simplesmente tendo fruição estética, vendo se a casula do padre tem furos de traça ou deliciando-se a música, etc., sem somar o sacrifício individual ao de Cristo na Cruz. Tampouco é isso que a Igreja nos pede e recomenda.

O que a Igreja nos pede e recomenda é que assistamos, em silêncio ou não, cantando ou não, mas ativos em nossa disposição interior de somar o nosso sacrifício pessoal ao de Cristo na Cruz, e que assim participemos, em silêncio ou não, cantando ou não, recebendo de Cristo a perfeição de sermos santos, sendo santificados (particípio) pelo que é Santo.

Cabe ainda lembrar que o preceito da Igreja é ouvir Missa inteira todo domingo e dia santo. Assim, se a pessoa só vai fisicamente, ela não está pecando (apesar de não estar tendo tantos méritos, etc.), mas pecaria se ficasse em casa sob o pretexto de não conseguir participar.

Do mesmo modo, o preceito é de comungar uma vez por ano, no tempo da Páscoa. Se a pessoa está em pecado mortal (ou seja, se depois de sua última confissão ela faltou a uma missa dominical ou ferial, se ela mentiu, se ela roubou, se ela fornicou, se ela cometeu adultério - ainda que em pensamento -, se ela blasfemou, se ela assistiu a pornografia...) ela não pode nem deve comungar. Nesse caso, a comunhão não seria comunhão, isto é, não seria participação em Cristo; seria, nas palavras de São Paulo, "comer e beber a sua própria condenação".


©Prof. Carlos Ramalhete - livre cópia na íntegra com menção do autor

No comments:

Post a Comment

There was an error in this gadget